• Rafael de Angeli

Washington Post: medidas anti-perseguição dos AirTags 'simplesmente não são suficientes'

As medidas que a Apple incorporou aos AirTags para evitar que sejam usados ​​para rastrear alguém "simplesmente não são suficientes", disse Geoffrey Fowler, do The Washington Post, em um relatório que investiga como os ‌rastreadores da Maçã podem ser usados ​​para perseguição secreta.


Fowler colocou um AirTag em si mesmo e se juntou a um colega para fingir ser perseguido, e chegou à conclusão de que os ‌novos rastreadores são um "novo meio de perseguição barata e eficaz".


As ações da Apple incluem alertas de privacidade para que os usuários do iPhone saibam que um AirTag desconhecido está viajando com eles e pode estar em seus pertences, junto com alertas sonoros regulares quando foi separado de seu dono por três dias.


Fowler disse que, ao longo de uma semana de rastreamento, recebeu alertas tanto do AirTag oculto quanto de seu ‌iPhone‌. Depois de três dias, o rastreador "de itens" da Maçã usado para perseguir Fowler tocou um som, mas foram "apenas 15 segundos de sons leves", medidos em cerca de 60 decibéis. Ele tocava por 15 segundos de cada vez, ficava em silêncio por várias horas, depois tocava por mais 15 segundos e era fácil de abafar aplicando pressão na parte superior do AirTag.


O cronômetro de contagem regressiva de três dias é zerado depois de entrar em contato com o ‌iPhone‌ do proprietário, portanto, se a pessoa perseguida viver com seu perseguidor, o som pode nunca ser ativado.



Fowler também recebeu alertas regulares em seu ‌iPhone‌ sobre um AirTag desconhecido se movendo com ele, mas apontou que essas notificações não estão disponíveis para usuários de Android. Ele também disse que a Apple não fornece ajuda suficiente para localizar um AirTag próximo, já que só pode ser rastreado pelo som, um recurso que nem sempre funciona.


"Recebi vários alertas: no AirTag oculto e no meu ‌iPhone‌. Mas não foi difícil encontrar maneiras de um parceiro abusivo contornar os sistemas da Apple. Para citar um: o alarme sonoro só tocou depois de três dias - e então acabou sendo apenas 15 segundos de um leve toque. E outro: enquanto um ‌iPhone‌ me alertou que um AirTag desconhecido estava se movendo comigo, avisos semelhantes não estão disponíveis para quase metade dos americanos que usam telefones Android".

O AirTag colocado em Fowler manteve seu colega bem atualizado com suas informações de localização, atualizando uma vez a cada poucos minutos com um alcance de cerca de meio quarteirão. Enquanto Fowler estava em casa, o AirTag relatou sua localização exata, todos usando seus próprios dispositivos, graças à Rede Buscar da Apple.


A Rede Buscar foi projetada para facilitar a localização de um dispositivo Apple perdido ou um item conectado a um AirTag, utilizando centenas de milhões de produtos Apple ativos em todo o mundo (linhas iPhone 11, iPhone 12 ou Apple Watch Series 6). Se você perder um AirTag e um dispositivo de outra pessoa pegá-lo, a localização do rastreador perdido é retransmitida de volta para você, e isso também se aplica ao rastreamento de pessoas pelos ‌AirTags.


A vice-presidente de marketing do ‌iPhone‌, Kaiann Drance, disse ao The Washington Post que as medidas incorporadas ao ‌AirTag são um "forte conjunto de impedimentos proativos pioneiro na indústria". Ela explicou que as medidas anti-rastreamento do ‌AirTag‌ podem ser reforçadas com o tempo. "É um sistema inteligente e ajustável, e podemos continuar melhorando a lógica e o tempo para que possamos melhorar o conjunto de impedimentos".


Ela também comentou sobre algumas das medidas e ações. A Apple escolheu um cronograma de três dias antes de um AirTag começar a reproduzir um som porque a empresa "queria equilibrar como esses alertas estão disparando no ambiente, bem como o rastreamento indesejado". Drance não quis dizer se a Apple consultou especialistas em violência doméstica ao criar o ‌AirTag‌, mas disse que a empresa está "aberta a ouvir qualquer coisa dessas organizações".


Fowler admite que a Apple fez mais para evitar que o ‌AirTag fosse usado para perseguição do que outros concorrentes de dispositivos de rastreamento Bluetooth, como o Tile, por exemplo, hoje seu maior concorrente, mas ainda há preocupações que precisam ser resolvidas. O relatório completo de Fowler, que fornece mais detalhes sobre como ele imitou ser perseguido e as deficiências que encontrou no ‌AirTag pode ser encontrado no The Washington Post.



Fontes: The Washington Post e MacRumors

09/05/2021 - 1h00