• Rafael de Angeli

Headset AR/VR da Apple pode ser adiado até 2023 por problemas no desenvolvimento

O lançamento do Headset AR/VR da Apple pode ser adiado até 2023, após sofrer problemas durante o processo de desenvolvimento, de acordo com a Bloomberg.

Conceito: Ian Zelbo

Citando fontes familiarizadas com os planos da Apple, a notícia afirma que a Maçã originalmente planejava lançar seu tão rumorado Headset de realidade mista (aumentada e virtual - AR/VR) em 2021 e começar as vendas neste ano. A empresa, então, voltou sua atenção para a WWDC, sua conferência mundial e anual de desenvolvedores, que deve ser realizada em junho de 2022, para lançar o produto, o que agora parece improvável devido a vários problemas no desenvolvimento.


O rumor diz que o Headset está enfrentando problemas com superaquecimento, além de desafios de câmera e software. Há informações não confirmadas de que o dispositivo possui dois chips, e a Bloomberg acredita que pelo menos um deles estará no mesmo padrão do M1 Pro dos modelos mais recentes dos MacBooks Pro. Acredita-se que as demandas térmicas deste chip sejam a causa de problemas de superaquecimento.


Projetos anteriores tentaram suavizar problemas térmicos usando um dispositivo de processador externo que transmitiria dados sem fio para o Headset, mas Sir Jony Ive, ex-líder do departamento de design da Apple, supostamente rejeitou o conceito. Atualmente, a gigante de Cupertino tem cerca de 2 mil funcionários trabalhando em seu iDevice AR/VR.


Como resultado desses problemas de desenvolvimento, a Apple agora estaria considerando adiar o lançamento do Headset até o final de 2022 ou 2023. A empresa supostamente informou aos parceiros de sua cadeia de suprimentos que é improvável que o dispositivo seja lançado até 2023, mas aparentemente ainda estaria pressionando seus fornecedores a terem unidades disponíveis para o final deste ano. As câmeras para o Headset, fornecidas pela LG Innotek, devem começar a ser produzidas já no segundo trimestre de 2022.


Acredita-se agora que a Apple planeja focar a WWDC de 2023 especificamente na criação de aplicativos de realidade virtual e aumentada para iniciar uma App Store específica do dispositivo. O Headset deve rodar o "rOS", com codinome interno de "Oak".



O futuro iOS 16, que internamente teria o codinome "Sydney", que deve ser lançado em setembro, supostamente apresentará suporte embutido para o Headset, com o objetivo de estabelecer as bases para o dispositivo. A Bloomberg observa que isso significa que a Apple "poderia teoricamente visualizar aspectos técnicos do Headset ou de seu software, sem apresentar o dispositivo completo" na WWDC deste ano.


A Apple possivelmente considerou o preço do dispositivo em mais de US$ 2.000, justificado pelas tecnologias de telas, chips e áudio mais avançadas do produto em comparação com os concorrentes. Originalmente, esperava vender apenas um Headset por dia por loja de varejo, e a última previsão da empresa, para fornecedores, seria de 7 a 10 milhões de unidades vendidas já durante seu primeiro ano no mercado.



Fontes: Bloomberg e MacRumors

15/1/2022 - 1h14