• Rafael de Angeli

'Apple Glass' com chip de Mac deve substituir o iPhone em cerca de 10 anos

A Apple está planejando substituir o iPhone por um headset de realidade aumentada (AR) em 10 anos, um processo que deve começar em 2022 com o lançamento de um dispositivo de realidade mista (aumentada e virtual), de acordo com o analista Ming-Chi Kuo.

Conceito: @appltrack

Em uma nota aos investidores, divulgada pelo site MacRumors, o conceituado analista Ming-Chi Kuo explicou que "o objetivo da Apple é substituir o ‌iPhone‌ pelo AR em dez anos".


Esta transição aparentemente está programada para começar no final de 2022 com o lançamento do primeiro headset AR da Maçã. O dispositivo deve ser capaz de operar de forma independente, sem a necessidade de ser conectado a um Mac ou ‌iPhone‌, e a Apple pretende oferecer suporte a uma "ampla gama de aplicativos" para iniciar o processo de substituição do ‌iPhone‌.


Além de AR, o headset deve ser capaz de suportar experiências de realidade virtual (VR) graças a um par de telas 4K Micro OLED da Sony, que requerem a potência de computação de um chip como o M1.


"O headset AR da Apple requer um processador separado, pois o poder de computação do sensor é significativamente maior do que o do iPhone. Por exemplo, o eletrônico requer pelo menos 6 a 8 módulos ópticos para fornecer simultaneamente serviços de AR de vídeo contínuo e transparente aos usuários. Em comparação, um iPhone requer até 3 módulos ópticos rodando simultaneamente e não requer computação contínua".

Em termos de hardware, o headset deve contar com dois processadores para oferecer suporte a seus recursos de ponta. O processador principal será um poderoso SoC semelhante ao chip M1 que a Apple lançou em seus Macs Apple Silicon no ano passado, enquanto um processador de baixo custo gerenciará os sensores do dispositivo.


"Prevemos que o headset AR da Apple a ser lançado no 4Q22 [quarto trimestre de 2022] será equipado com dois processadores. O processador principal terá poder de computação semelhante ao M1 para Mac, enquanto o processador inferior será responsável pela computação relacionada ao sensor". "O design da unidade de gerenciamento de energia [PMU - Power Management Unit] do processador de última geração é semelhante ao do M1 porque tem o mesmo nível de poder de computação do M1".

Sabemos que o iPhone e os smartphones em geral não são eternos e que, em breve, algo deve tomar seus lugares. Mas será que um vestível, como um óculos inteligente, poderá ter tanto poder "nas mangas" (ou em suas hastes)? É o que veremos, provavelmente em aproximadamente uma década.



Fonte: MacRumors

8/12/2021 - 23h50