• Rafael de Angeli

Ex-engenheiro da Apple detalha porque o primeiro iPhone não tinha o recurso de copiar e colar

A Apple lançou o primeiro iPhone há 15 anos e muita coisa mudou desde então. Atualmente discutimos rumores sobre o próximo iPhone com vídeo 8K e uma nova tela, mas é difícil acreditar que uma vez que o smartphone nem sequer tivesse opções de copiar e colar. Um ex-engenheiro de software e designer da Maçã, Ken Kocienda, revelou detalhes sobre o motivo do primeiro iPhone não ter esses recursos.

Steve Jobs na apresentação do primeiro iPhone, em junho de 2007.

Kocienda, que ingressou na Apple em 2001, foi um dos principais engenheiros por trás do iPhone. Antes de trabalhar no projeto, fez parte da equipe que criou o navegador Safari, o que lhe garantiu um papel importante no desenvolvimento do primeiro smartphone da gigante de Cupertino.


Com o iPhone se aproximando de seu 15º aniversário, o ex-engenheiro decidiu compartilhar algumas histórias interessantes sobre como a Apple criou seu primeiro smartphone. Um deles inclui detalhes sobre porque a empresa decidiu lançar o iPhone sem opções de copiar e colar.


"Não havia tempo para isso".

A explicação curta e engraçada de Kocienda é que os engenheiros da Apple não tiveram tempo de implementar o recurso de copiar e colar no primeiro iPhone. Mas é claro que a história vai além disso.


iPhone 3G, segundo smartphone da Apple, lançado em junho de 2008.

Segundo o ex-engenheiro, a equipe já estava ocupada criando o teclado virtual do iPhone e seu sistema de autocorreção. Depois que o smartphone foi lançado, Kocienda e sua equipe finalmente decidiram trabalhar nas opções de copiar e colar, mas ainda demorou um pouco até que o recurso estivesse pronto.


O engenheiro explica que teve a ideia da "lupa de texto ampliada" para que os usuários soubessem exatamente para onde estavam apontando o cursor de texto, o que era crucial para copiar e colar. No entanto, mesmo com aquela lupa virtual clássica, o cursor acabou se movendo entre os caracteres depois que o usuário levanta o dedo da tela.


Kocienda teve que desenvolver um "registro de histórico de toque" apenas para edição de texto. Dessa forma, após tirar o dedo da tela, o sistema detectava automaticamente a posição do dedo, milissegundos após o último toque, para que o cursor ficasse onde o usuário realmente desejava.



"O iPhone original não tinha recortar/copiar/colar. Infame! A explicação mais rápida é que não tive tempo de fazer direito. Eu tinha muito trabalho de teclado, autocorreção e sistema de texto para fazer. A equipe de design também não teve tempo. Então, passamos o recurso para 1.0".

Outro detalhe interessante sobre o sistema de entrada de texto no iPhone é que, segundo o ex-engenheiro da Apple, todo texto estilizado foi originalmente baseado no WebKit. Isso significa que toda vez que um aplicativo usava uma fonte personalizada, basicamente mostrava uma pequena página da Web para renderizar o texto. Quando os campos de texto não estavam no modo de edição, eles mostravam uma imagem estática de seu conteúdo, provavelmente para economizar CPU, RAM e bateria.


As opções de copiar e colar foram introduzidas como parte do iPhone OS 3.0 (antigo nome do iOS) em 2009, que veio pré-instalado por padrão no iPhone 3GS. A Apple até criou uma propaganda, na época, destacando o novo recurso:



Mais curiosidades sobre o primeiro iPhone


Kocienda também compartilhou alguns outros detalhes sobre o desenvolvimento do primeiro iPhone. O smartphone precisava de uma multitarefa real, não apenas por causa da pouca memória RAM, mas também pela falta de memória virtual. Os engenheiros tiveram que criar um sistema conhecido como "jetsam" para forçar o iPhone a executar um único aplicativo por vez, encerrando automaticamente outros processos em segundo plano para evitar problemas de desempenho.


Como os dispositivos de tela sensível ao toque não eram exatamente populares e necessitavam de feedback tátil, a equipe do iPhone implementou uma área virtual maior do que os botões mostrados na interface. Desta forma, o smartphone reconhece toques mesmo quando o usuário não toca com precisão na tela.



"O botão home! Um botão de hardware na frente do dispositivo. Pressione-o para ir para a home [tela inicial]. Que grande idéia!". "A curvatura dos seus dedos faz você pensar que está tocando mais alto na tela do que está. Então, os toques são distorcidos para explicar isso. É por isso que, até hoje, é difícil segmentar os toques quando você segura o telefone de cabeça para baixo".

Esse sistema também foi importante para o recurso de autocorreção do teclado, pois identifica as letras ao redor daquela que o usuário tocou para substituir a palavra incorreta pela correta.


Primeiro iPhone, também chamado erroneamente de “iPhone 2G” no mundo da tecnologia.

Kocienda também explica que a percepção dos usuários de onde eles estão tocando com os dedos é diferente de onde o dedo está realmente tocando, e o sistema teve que estar preparado para isso.


Interessante, não?



Fonte: 9to5Mac

23/06/2022 - 19h29