• Rafael de Angeli

Banco do Apple Card diz que Apple não se importa com um carro, mas com a experiência dentro dele

O Goldman Sachs, banco parceiro do Apple Card nos Estados Unidos, emitiu uma nota aos investidores na qual argumenta que quaisquer ambições do “Apple Car” provavelmente estão focadas na experiência no carro.

Imagem: Reprodução/TheAppleGoogle

Goldman inicia dizendo que a indústria automotiva é historicamente de baixa margem (de lucro). Isso pode até ser verdade, mas não particularmente relevante, pois sem o iPhone, a indústria de smartphones também é um negócio de baixa margem (ou mesmo perda), mas a Apple ganha muito dinheiro com isso. Ela não é uma empresa que tem problemas para descobrir como alcançar grandes margens a partir dos produtos que vende.


A nota continua dizendo que a razão pela qual a Maçã está tão interessada em carros autônomos é porque deixa as pessoas livres para passar mais tempo usando seus iPhones:

"A principal razão pela qual a Apple e outras empresas de tecnologia querem estar neste negócio é devido à grande quantidade de tempo que os futuros consumidores provavelmente passarão em veículos autônomos usando serviços de informação à medida que vão do ponto A ao ponto B".

O banco continua argumentando que um carro faz sentido para a gigante de Cupertino como plataforma, mas não como produto:

"Acreditamos que um carro faz sentido para a Apple como uma plataforma de hardware que suporta seus serviços, mas a menor lucratividade do negócio de automóveis provavelmente significa que os investidores veriam um impacto limitado nos ganhos de tal movimento".

Em vez disso, Goldman finalmente vê a Maçã seguindo um caminho semelhante que tomou na indústria de TV e se tornando uma provedora de serviços no mercado de veículos elétricos, em vez de fabricar um veículo de baixa margem do zero:

"[A Apple] pode ter meios alternativos para fornecer uma experiência quase tão boa [de carro] sem a necessidade de desenvolver e vender uma plataforma completa de EV [veículo elétrico]".

Nem todos os bancos concordam. Morgan Stanley acredita que um Apple Car poderia proporcionar uma concorrência mais formidável à Tesla do que qualquer fabricante de carros existente.


No passado, muito se falou sobre uma possível TV fabricada pela Apple, por exemplo. E a empresa sempre atualiza e dá valor ao seu produto Apple TV, um “acessório” que melhora (e muito) qualquer aparelho de televisão. Obviamente eu gostaria que ela fabricasse um carro todo futurista e cheio de tecnologia, mas acredito no mesmo que o banco Goldman Sachs, que a gigante de Cupertino poderá “equipar” nossos carros, como hoje já faz pelo sistema CarPlay (conectando o iPhone e suas funcionalidades aos veículos) ou futuramente por qualquer outra criação.


Eu mesmo, na minha mais recente troca de carro, optei por um que tinha o sistema CarPlay (era minha prioridade no novo carro) e aproveitei para comprar um modelo especial Beats, com um som de fábrica da marca e com excelente qualidade. E a Beats é da Apple. Sou fan boy? Sim! rs Mas é fato que isso pesou extremamente na minha decisão.


É difícil tentar enxergar a Maçã colocando um carro dentro de suas lojas ou entrar em um mercado completamente diferente. Dinheiro para isso ela tem de sobra, mas não sei se o Goldman Sachs iria gostar de dar cashbacks altos nas compras de carros da empresa com um Apple Card! Por falar nisso, esperamos ansiosamente pelo cartão de titanium da empresa no Brasil. Quem sabe em 2021?!



Fonte: 9to5Mac

26/12/2020 - 15h48