• Rafael de Angeli

Apple responde críticas do Facebook e diz que usuários merecem controle e transparência

A Maçã respondeu às críticas anti-rastreamento do Facebook sobre uma próxima medida de privacidade do iOS 14 — especificamente uma mudança que exigirá que os usuários concedam permissão para que suas atividades sejam rastreadas para fins publicitários personalizados a partir do início do próximo ano.


Em um comunicado fornecido ao site MacRumors, a Apple disse que "acreditamos que esta é uma simples questão de defender nossos usuários", acrescentando que "os usuários devem saber quando seus dados estão sendo coletados e compartilhados em outros aplicativos e sites — e devem ter a opção de permitir isso ou não". As opções para permitir ou negar o rastreamento serão apresentadas na forma de um prompt que aparece quando os usuários abrem aplicativos.


Declaração completa da Apple:

"Acreditamos que esta é uma simples questão de defender nossos usuários. Os usuários devem saber quando seus dados estão sendo coletados e compartilhados em outros aplicativos e sites — e devem ter a opção de permitir isso ou não. A Transparência de Rastreamento de Aplicativos no iOS 14 não exige que o Facebook altere sua abordagem para rastrear usuários e criar publicidade direcionada, simplesmente exige que eles dêem aos usuários uma escolha".

Como parte de sua resposta ao Facebook, a Apple enfatizou que acolhe a publicidade no aplicativo e não está proibindo o rastreamento, mas simplesmente exigindo que os aplicativos obtenham consentimento explícito dos usuários para rastrear para fins de publicidade personalizada, proporcionando mais controle e transparência. A empresa disse que o rastreamento pode ser invasivo e, como resultado, acredita que os usuários têm o direito de fazer escolhas sobre as permissões que concedem aos aplicativos.


A Maçã também destacou o fato de que desenvolvedores como o Facebook poderão editar uma seção do texto que aparece no prompt para explicar por que os usuários devem permitir o rastreamento, e forneceu uma captura de tela para visualizar essa informação.


"Acreditamos que os usuários devem ter escolha sobre os dados que estão sendo coletados sobre eles e como são usados. O Facebook pode continuar a rastrear usuários em aplicativos e sites como antes, o App Tracking Transparency no iOS 14 só exigirá que eles peçam sua permissão primeiro".

No aplicativo Configurações, os usuários podem visualizar quais apps solicitaram permissão para rastrear para fins publicitários e fazer alterações conforme acharem melhor. A Apple disse que, se tomar conhecimento de um aplicativo que viole suas Diretrizes de Revisão da App Store em relação a essa alteração, o desenvolvedor deve resolver o problema ou o app será removido da App Store.


A gigante de Cupertino disse que essa mudança está em seu roteiro há anos e que se aplicará igualmente a todos os desenvolvedores, incluindo a Apple.


Por último, a empresa observou que está expandindo sua API de atribuição de anúncios SKAdNetwork que preserva a privacidade, permitindo que redes de anúncios de terceiros que veiculam anúncios em uma ampla variedade de aplicativos forneçam atribuição de anúncios aos desenvolvedores sem saber a identidade do usuário. A Apple diz que a SKAdNetwork é livre para uso e que não monetiza a API.


Críticas do Facebook


No dia 16 de dezembro, em um post de blog e um anúncio de página inteira publicado em três grandes jornais, o Facebook afirmou que a mudança de rastreamento da Apple terá um "impacto prejudicial em muitas pequenas empresas que estão lutando para se manter".


"Não concordamos com a abordagem e a solução da Apple, mas não temos escolha a não ser mostrar o prompt da Apple", disse o Facebook. "Se não o fizermos, eles bloquearão o Facebook da App Store, o que só prejudicaria ainda mais as pessoas e empresas que dependem de nossos serviços. Não podemos correr esse risco em nome dos milhões de empresas que usam nossa plataforma para crescer”.


O Facebook disse que a mudança antirastreamento da Apple é "sobre lucro, não privacidade", alegando que as pequenas empresas serão forçadas a recorrer a assinaturas e outros pagamentos no aplicativo para obter receita, beneficiando os resultados da Maçã. O Facebook também acusou a Apple de estabelecer um padrão duplo, alegando que a própria plataforma de anúncios personalizados da fabricante do iPhone não está sujeita à próxima política do iOS 14, uma alegação que a Apple agora negou.


"Acreditamos que a Apple está se comportando de forma anticompetitiva usando seu controle da App Store para beneficiar seus resultados às custas de desenvolvedores de aplicativos e pequenas empresas", disse o Facebook. A empresa disse que continuaria a "explorar maneiras de abordar essa preocupação", incluindo o apoio à Epic Games em seu processo antitruste contra a Apple.

Exemplo do aplicativo brasileiro Globoplay, que se antecipou e já está pedindo para rastrear seus usuários.

Em resumo: tio Mark querendo ficar cada vez mais rico enquanto a Apple luta por nossa privacidade. É um direito de cada usuário querer ou não compartilhar suas informações. Eu, por exemplo, não vejo problemas em autorizar que cada aplicativo ou serviço me forneça o melhor relacionado aos meus gostos e costumes.



Fonte: MacRumors

18/12/2020 - 16h18