• Rafael de Angeli

'After Steve' examina as tensões que levaram à saída de Jony Ive da Apple

Tripp Mickle, repórter de tecnologia do The New York Times, lança livro sobre a Apple, intitulado "Depois de Steve: como a Apple se tornou uma empresa de trilhões de dólares e perdeu sua alma".

Jony Ive e Tim Cook no lançamento do iPhone XR em setembro de 2018.

Tripp Mickle, repórter de tecnologia que recentemente se mudou do The Wall Street Journal para o The New York Times, está lançando um livro sobre a Apple, intitulado "After Steve: How Apple Became a Trillion-Dollar Company and Lost Its Soul”, que na livre tradução significa "Depois de Steve: como a Apple se tornou uma empresa de trilhões de dólares e perdeu sua alma".


Um trecho da obra foi compartilhado e fornece uma visão das tensões entre Tim Cook, atual CEO da Apple, e Jony Ive, que levaram à saída do ex-líder do departamento de design da empresa.



"A narrativa Cook-versus-Ive é um dispositivo eficaz, embora redutivo, para contar a história pós-Jobs da Apple. Ela injeta drama humano em um retrato preciso de uma corporação próspera, embora angustiada". -- @AirMailWeekly "O livro é um retrato incrivelmente detalhado da tensão permanente entre estratégia e sorte: as empresas fazem sua própria história, mas não a fazem como querem". --@nytimesbooks

Sir Jonathan Ive nasceu em Londres, em 27 de fevereiro de 1967, e é um designer britânico que se mudou para São Francisco, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, em 1992, para trabalhar na Apple. Foi líder do departamento de design industrial da empresa desde 1996, tendo acumulado o cargo de vice-presidente sênior após a morte de Steve Jobs. Em 27 de junho de 2019, foi anunciado que Ive deixaria a Maçã, depois de vinte e sete anos, para iniciar seu próprio empreendimento criativo chamado LoveFrom.



As principais histórias do livro se concentram no Apple Watch, que Jony Ive queria que fosse um acessório de moda lançado com todo o brilho de um desfile completo de US$ 25 milhões. A equipe de marketing da Apple questionou a despesa e a ênfase na moda, preferindo um lançamento mais tradicional focado nos recursos do smartwatch.


Embora Cook tenha ficado do lado de Ive sobre o lançamento voltado para a moda, fontes entrevistadas para o livro sugerem que foi o início do fim do tempo de Ive na Apple.


"Para muitos presentes, a aprovação do Sr. Cook parecia uma vitória para o Sr. Ive. Mas o designer mais tarde o reformularia como uma vitória de Pirro. Ele dizia aos colegas que o debate sobre o evento e a luta maior sobre o marketing do relógio estavam entre os primeiros momentos em que ele se sentiu sem apoio na Apple".

Como o Apple Watch foi adaptado para se tornar um dispositivo voltado para o fitness com ampla distribuição no varejo, Ive começou a se irritar com a "ascensão de líderes operacionais" dentro da empresa e uma ênfase crescente em serviços em vez de hardware e, finalmente, ele saiu da Apple para fundar sua própria empresa de design, LoveFrom.


O livro entra em mais detalhes sobre os primeiros dias de Ive na Apple, seu relacionamento com Steve Jobs e histórias adicionais sobre a evolução do designer britânico após a morte de Jobs.


"Sem o Sr. Jobs, ele assumiu grande parte da responsabilidade pelo design do produto e seu marketing. Pessoas próximas a Ive disseram que ele achou cansativo brigar com seus colegas por promoção e ficou sobrecarregado gerenciando uma equipe que se estendia a centenas, múltiplos da equipe de design de 20 pessoas que ele dirigiu por anos".

Cook e Ive finalmente concordaram em um novo cargo de diretor de design para Ive, que o levaria a entregar o gerenciamento diário do grupo de design e mudar para um cargo de meio período focado no desenvolvimento de produtos.


A participação e a presença de Ive diminuíram com seu novo cargo, com ele supostamente passando semanas sem pesar sobre o trabalho em andamento na equipe. O livro inclui uma história do processo de desenvolvimento do iPhone X, quando Ive convocou uma importante reunião de revisão de um produto onde acabou chegando quase três horas atrasado e, finalmente, concluiu sem tomar nenhuma decisão final.


Na ausência de Ive, a Apple continuou a se dedicar mais aos serviços, enquanto o olho de Cook para a eficiência operacional evoluiu ainda mais a empresa. Com o Apple Park essencialmente concluído em meados de 2019, Ive decidiu que era hora de seguir em frente.


"Poucos conheciam toda a extensão das batalhas do Sr. Ive. Poucos sabiam de seu confronto com a equipe financeira da Apple. Poucos entendiam como ele achava cansativo brigar pelo marketing do relógio [Apple Watch], um produto que aumentou as vendas ao longo do tempo e se tornou essencial para o negócio de vestíveis de US$ 38 bilhões da empresa. No entanto, muitos podem reconhecer o tédio de atualizar anualmente os iPhones, iPads e Macs da empresa".

Uma resenha de "After Steve", publicada pelo The New York Times, elogia os esforços completos de Mickle para entrevistar mais de 200 funcionários e consultores antigos e atuais. No entanto, questiona o epílogo de Mickle que culpa Cook por ser "alheio e inacessível, um mau parceiro para Ive" e grande responsável pelo fracasso da Apple em lançar outro produto na magnitude do ‌iPhone‌. A análise argumenta que o ‌iPhone‌ foi uma oportunidade singular, como evidenciado pelo fato de que a parceria Jobs-Ive nunca rendeu mais nada nesse porte, nem antes e nem depois.



"After Steve" foi lançado hoje, 3 de maio, e está disponível em pré-venda na Amazon e em outras lojas nas versões em capa comum (R$ 93,75), capa dura (R$ 155,50) e digital, através do Kindle (R$ 82,90).



Fontes: The New York Times, Amazon e MacRumors

3/5/2022 - 23h01