• Rafael de Angeli

Apple explica o motivo de o Mac não ter Face ID e touchscreen

Executivos da Apple explicam sobre a falta do Face ID e de telas sensíveis ao toque em Macs.

Imagem: Reprodução/9to5Mac

Em uma entrevista com Joanna Stern, do The Wall Street Journal, dois executivos da Apple abordaram temas polêmicos e falaram sobre dois recursos que faltam nos Macs: o Face ID e a tela sensível ao toque.


Uma das maiores críticas ao Mac é a falta de um Face ID. Desde o lançamento do Face ID, no iPhone X, em 2017, muitos se perguntam se a Apple algum dia trará a tecnologia para o Mac. Uma notícia de julho sugeriu que isso aconteceria no futuro, mas os novos MacBooks Pro de 14 e 16 polegadas com notch e a falta do Face ID trouxeram o debate de volta ao mundo da tecnologia.


Abordando o motivo da falta de Face ID no Mac, Tom Boger, vice-presidente de marketing de produtos do iPad e do Mac, disse a Stern que o Touch ID é mais conveniente no Mac, uma vez que as mãos dos usuários já estão no teclado.



O Touch ID‌ no canto superior direito do teclado permite que os usuários se autentiquem facilmente apenas colocando o dedo no sensor. Ainda assim, o Face ID no Mac provavelmente seria ainda mais fácil, já que o computador desbloqueia assim que um usuário olha para a tela, semelhante ao comportamento do Face ID no ‌iPhone‌ e ‌no iPad‌.


"E Face ID? Quando olho para o notch gigante do laptop, me pergunto porque não consigo desbloquear a máquina com o rosto. O Sr. Boger disse que o Touch ID é mais conveniente em um laptop, pois suas mãos já estão no teclado".

John Ternus, vice-presidente sênior de engenharia de hardware da Apple

Outro tópico quente de debate em torno do Mac são os recursos de tela sensível ao toque. A ideia era que, se os Macs ganhassem tela com touch, ela canibalizaria as vendas do ‌iPad‌. John Ternus, vice-presidente sênior de engenharia de hardware da Apple, aparentemente concorda e disse que não é algo que a empresa sentiu a necessidade de fazer.


"'Nós fazemos o melhor computador sensível ao toque do mundo: o iPad. É totalmente otimizado para isso. E o Mac é totalmente otimizado para o controle indireto. Não sentimos realmente um motivo para mudar isso', John Ternus, vice-presidente sênior de engenharia de hardware da Apple me disse".

Ternus e Boger também abordaram questões mais específicas sobre os recém-lançados MacBooks Pro de 14 e 16 polegadas e o Apple Silicon em geral. Os MacBooks recentes apresentam RAM que não pode ser atualizada posteriormente se o usuário achar que precisa de memória extra do que a fornecida com o computador.


Ambos os executivos dizem que a "arquitetura de memória unificada" do chip Apple Silicon permite maior desempenho em Macs, sugerindo que níveis de desempenho semelhantes não seriam alcançáveis ​​sem UMA (Upper Memory Area).


Os novos MacBooks Pro trouxeram de volta muitos recursos apreciados pelos usuários de Mac que foram retirados durante o redesenho do laptop em 2016. Mais notavelmente, a Apple trouxe de volta portas adicionais, como HDMI, cartão SD e MagSafe, removeu a Touch Bar, melhorou muito as telas, entre outras novidades.


Falando de uma maneira geral sobre a reversão das mudanças neste ano, Boger disse a Stern que a Apple está sempre "ouvindo seus clientes", o que significava que, em última análise, precisava desfazer algumas de suas decisões anteriores de design do Mac.


"'Estamos constantemente ouvindo nossos clientes e, com esta nova linha de MacBooks Pro, decidimos fazer algumas mudanças, como fazemos muito no Mac', disse-me Tom Boger, vice-presidente de marketing de produtos de Mac e iPad da Apple". "Passe isso pelo tradutor 'executivo para inglês' e ficará bem claro: estávamos errados".

No artigo completo, Stern também analisa os novos MacBooks Pro, aplaudindo o retorno de mais portas, teclas de função de tamanho normal e muito mais.



Fontes: The Wall Street Journal e MacRumors

1º/11/2021 - 2h54