• Rafael de Angeli

Apple economizou cerca de US$ 6,6 bilhões removendo carregador e EarPods da caixa do iPhones

A remoção do carregador e dos EarPods da caixa do iPhone permitiu que 70% mais dispositivos coubessem em um container e um lucro extra de aproximadamente R$ 31,9 bilhões.


Quando o analista Ming-Chi Kuo disse, em junho de 2020, que a linha iPhone 12 não incluiria um carregador e EarPods dentro da caixa, os consumidores ficaram surpresos. A Apple tentou se esconder atrás do objetivo de ser ecologicamente correta e apontou que, reduzindo o tamanho das caixas do iPhone, 70% mais dispositivos poderiam caber em um container para transporte.


Mais caixas no mesmo container permitiriam que a Apple enviasse mais telefones aos usuários de uma só vez. Como resultado, o uso de caixas menores permitiria à empresa reduzir as emissões anuais de carbono em 2 milhões de toneladas, de acordo com a Maçã. "Isso equivale a tirar 500.000 carros das ruas".


Mas nem todo mundo acredita que a Apple fez esse movimento, que foi copiado pela maioria dos grandes fabricantes de telefones, incluindo a Samsung e o Google, para ajudar o meio ambiente. Embora muitos concordem que ela está removendo o carregador das caixas do iPhone por um motivo "verde", o "verde" em que estão pensando é a cor do dinheiro. A Maçã iniciou este programa com o lançamento de sua primeira série de smartphones com 5G, o iPhone 12.


De acordo com o Daily Mail, ao eliminar o carregador e os EarPods da caixa, a Apple economizou um total de £ 5 bilhões até agora, que equivale a US$ 6,6 bilhões. Mas a gigante de Cupertino não reduziu o preço de seus aparelhos ao retirar os acessórios da caixa do iPhone. Ao mesmo tempo, muitos clientes que queriam carregar rapidamente seus telefones tinham apenas os adaptadores de 5W que vinham na caixa com modelos mais antigos e eram forçados a gastar US$ 19 por um carregador de 20W e outros US$ 19 para substituir os EarPods. No Brasil, este valor equivale a R$ 191 para cada produto.


Imagem: Reprodução/MacRumors

A estratégia dos EarPods também pode ter sido outra. Alguns consumidores de iPhone podem ter decidido substituir os EarPods, que eram gratuitos até a empresa removê-los, por um par de AirPods, que atualmente são oferecidos por US$ 129 (modelo mais barato de 2ª geração) até US$ 549 (AirPods Max, os mais caros fones sem fio da Maçã). No Brasil, os preços destes mesmos produtos começam em R$ 1.579 e vão até R$ 6.691 respectivamente.


Quando você considera as milhões de unidades de iPhone que a Apple vende a cada ano, isso certamente gera muito dinheiro fluindo para os cofres da empresa.


Reduzir o tamanho da caixa e permitir 70% mais dispositivos em cada container deve ajudar a Apple a reduzir seus custos de envio em 40%, o que, por sua vez, permite que a empresa reduza o preço do telefone para os consumidores. Alguns analistas calcularam que a Apple está economizando o equivalente a US$ 35 em cada iPhone que vende. No entanto, não houve redução de custos da empresa. Pelo contrário, só aumentos.


Desde que anunciou que estava removendo o carregador e os EarPods da caixa do iPhone, acredita-se que a Apple tenha vendido mais de 190 milhões de unidades de seus smartphones. Totalizando a quantidade de dinheiro que a empresa economizou com esse corte de custos e adicionando a quantidade de dinheiro que economizou no envio, chegamos aos US$ 6,6 bilhões (aproximadamente R$ 31,9 bilhões) que o Daily Mail calculou. Em outras palavras, se a Apple tivesse repassado cada centavo de economia para seus clientes, o público poderia ficar US$ 6,6 bilhões mais rico. E nem estamos incluindo na conta a quantia de dinheiro que os clientes gastaram na compra de novos carregadores porque não tinham, ou mais provavelmente porque queriam um que carregasse a uma velocidade superior a 5W.


O Daily Mail também informou que os clientes gastaram cerca de US$ 293,4 milhões (cerca de R$ 1,42 bilhão) em acessórios desde que a empresa deixou de colocar o carregador e os fones na caixa do iPhone.



Resumindo: a Apple economizou dinheiro no transporte e em não disponibilizar o carregador e os EarPods que costumavam vir nas caixas. O público não só não economizou dinheiro, como também teve que desembolsar mais grana para substituir os acessórios que desejavam e que não recebiam mais "de graça".


Esses US$ 6,6 bilhões vão direto para os resultados financeiros, aumentando os lucros da Apple e elevando o preço das ações da empresa, que chegou ao valor de mercado recorde de US$ 3 trilhões, tornando-se a primeira empresa do mundo a realizar este feito. E viva o capitalismo! 🤷‍♂️💰



Fontes: Daily Mail e PhoneArena

23/3/2022 - 23h49