• Fernando Cunha JR

Rumor: AirPods poderão usar condução óssea para melhorar o áudio

Futuramente, os AirPods poderão tirar proveito da tecnologia de condução óssea para fornecer áudio em uma variedade de situações em que os fones de ouvido normais não são eficazes.

Ao longo dos anos, a condução óssea tem sido uma maneira das pessoas ouvirem música ou receberem chamadas telefônicas sem depender de fones de ouvido. Em vez de transmitir som pelo ar, os dispositivos de condução óssea entram em contato com pontos específicos na cabeça do usuário, enviando som para o crânio e para o ouvido, onde as vibrações são traduzidas em som.

Esses sistemas têm seus benefícios, por exemplo, permitindo que os canais auditivos estejam livres e que os usuários ouçam seu ambiente ao mesmo tempo que o áudio do dispositivo. Também é útil em alguns casos em que há danos no ouvido que impedem o uso normal de fones. Ajuda, também, em situações em que métodos baseados em ar, como alto-falantes, falham, como se um usuário estivesse debaixo d'água.


Existem algumas desvantagens na condução óssea que limitam sua utilidade, sendo a primeira a capacidade de trabalhar em altas frequências, pois enquanto a audição humana geralmente varia de 20 a 20.000 Hz, a condução óssea só é realmente eficaz em níveis inferiores a 4.000 Hz, com a qualidade do áudio se deteriorando em faixas mais altas.


O fato de precisar de contato com a cabeça também é um problema, pois pode ser desconfortável ao usuário quando em altas intensidades.


Em uma patente concedida à Apple na terça-feira pelo Escritório de Marcas e Patentes dos EUA, intitulada "Estimulação de áudio por caminhos múltiplos usando compressores de áudio", a Apple sugere que os problemas com a condução óssea possam ser mitigados, em parte, por meio do suporte a métodos de condução de ar padrão.

O plano envolve duas áreas gerais de ataque, cobrindo intervalos audíveis e compressão. Os sinais de áudio são filtrados em três categorias, consistindo em componentes de alta, média e baixa frequência. Os componentes de média e baixa frequência são, então, processados ​​usando compressores para reduzir a faixa dinâmica e, em seguida, reunidos em um componente combinado.


Esse sinal combinado é, então, enviado através do crânio do usuário usando condução óssea, devido a consistir em sinais de baixa e média frequência dentro de sua faixa de utilidade. O componente de alta frequência que não seria eficaz quando enviado pela condução óssea, é enviado pelo ar ao ouvido normalmente.


A Apple sugere que o sistema de condução de ar seja construído de forma que não bloqueie o canal auditivo de outras fontes de áudio, ou seja, ainda permitiria ao usuário ouvir o ambiente.


O resultado é um sistema que tem os benefícios da condução óssea sobre o áudio ambiental enquanto ainda recebe os benefícios de toda a faixa de áudio ao receber sons de alta frequência por outro método. Nos casos em que o áudio ambiental pode abafar o som de alta frequência, os usuários ainda receberão os sinais de média e baixa frequências por condução óssea.


O arquivo lista seu inventor como Tomlinson Holman, e foi arquivado inicialmente em 25 de maio de 2018.


Esta não é a primeira vez que a Apple observa o uso da tecnologia de condução óssea. Registros de patentes anteriores indicam que a empresa da maçã já analisava fones de ouvido sem fio usando condução óssea.


Apesar dos anos de trabalho, a Apple ainda não introduziu nenhum tipo de transmissão de som através de condutor ósseo, porém a existência de sua linha AirPods parece ser um candidato adequado ao uso da tecnologia.



Fonte: Appleinsider 29/07/2020 - 3h44

NewsOnApple_Site_vertical.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • Youtube
  • Apple Podcasts
  • Spotify
  • Deezer
  • Google_Podcasts_Logo_2


ASSINE NOSSA NEWSLETTER

2019-2020 © News On Apple. Todos os direitos reservados.