top of page
  • Foto do escritorRafael de Angeli

Mais da metade dos ouvintes do Apple Music usam Áudio Espacial, diz executivo da Apple

Em entrevista à Billboard, o vice-presidente do Apple Music e da Beats, Oliver Schusser, detalha o crescimento e a reação ao Áudio Espacial e Áudio Lossless na plataforma de streaming.


O Apple Music‌ ganhou suporte para Áudio Espacial (Spatial Audio) e Áudio Lossless (sem perdas) em junho de 2021 e, desde então, a Apple continuou a adicionar novas músicas ao seu catálogo que suportam os dois novos recursos. A Maçã havia prometido anteriormente que todo o seu catálogo de 75 milhões de músicas seria disponibilizado em Lossless e, segundo Schusser, a empresa cumpriu sua promessa.


Schusser disse que, embora todo o catálogo de músicas do ‌Apple Music‌ suporte o formato de alta qualidade, as limitações do Bluetooth e a incapacidade de fones de ouvido, como os AirPods, de reproduzir o áudio, continuam sendo um desafio.


"Todos na indústria estavam realmente focados em Lossless", diz Schusser. "Temos todas as músicas em nosso catálogo disponíveis em Lossless, para nós, entregues pela indústria, mas o desafio é que não toca em nenhum fone de ouvido do mundo por Bluetooth ou qualquer conexão sem fio, e isso é 'por uma milha do país' a maneira número um como as pessoas consomem música hoje em dia".

Os assinantes do Apple Music‌ podem ouvir Áudio Lossless usando os alto-falantes integrados no iPhone, iPad, Mac e HomePod. Ainda assim, Schusser admitiu que o Lossless continua sendo um recurso de nicho que a maioria dos ouvintes médios não notará, mas que a Apple ainda queria avançar para trazê-lo para as massas.


O vice-presidente do Apple Music e da Beats diz que a maioria das pessoas não consegue perceber a diferença quando a música sem perdas é tocada e observou que, embora seja um recurso importante para um nicho selecionado, não é um produto de mercado de massa:


“Saímos e dissemos que gostaríamos de ter um recurso para o mercado de massa que funcionasse em praticamente todos os dispositivos e onde as pessoas notassem a diferença".


Discutindo o Áudio Espacial, que oferece aos ouvintes uma experiência de audição imersiva, Schusser diz que, em comparação com o lançamento do recurso no ano passado, a oferta de conteúdo em Áudio Espacial do ‌Apple Music‌ cresceu excepcionalmente. O executivo diz que mais de 50% dos assinantes do ‌Apple Music‌ agora estão ouvindo em Áudio Espacial.


"O Apple Music tinha apenas algumas milhares de músicas disponíveis no Áudio Espacial quando lançou o recurso no ano passado, e a empresa partiu em uma jornada para vender artistas e produtores – junto com ouvintes – na nova experiência imersiva". "Agora temos mais da metade de nossa base mundial de assinantes do Apple Music ouvindo Áudio Espacial e esse número está crescendo muito, muito rápido", diz Schusser. "Gostaríamos que os números fossem maiores, mas eles definitivamente estão superando nossas expectativas".


Enquanto a Apple continua adicionando novas músicas ao seu banco de dados que suportam Áudio Espacial em parcerias com estúdios, a empresa ainda está focada em garantir a qualidade da mixagem dessas canções.


Da parte da Apple, a empresa está enfatizando a importância da mixagem de qualidade aqui – em comparação com os primeiros dias das músicas em Dolby Atmos, quando algumas mixagens não correspondiam à qualidade das gravações originais. "Nós ouvimos todas as músicas que chegam no Áudio Espacial para nós e tentamos nos envolver com as pessoas que fazem o corte durante o processo", diz Schusser.

O Áudio Espacial não apenas permite que os ouvintes desfrutem de novas músicas de uma maneira mais imersiva, mas também reengaja os fãs com músicas mais antigas, de acordo com Rachel Newman, chefe global de conteúdo e editorial do ‌Apple Music‌:


"Estamos vendo um grande aumento no catálogo dos artistas. Com base neles, reengajando seus fãs com uma nova maneira de ouvir a música. Os fluxos de faixas de Áudio Espacial nas listas de reprodução editoriais do Apple Music cresceram 125% desde que o recurso foi lançado no verão passado".


Em uma entrevista anterior, feita em dezembro, outro executivo do ‌Apple Music‌ ecoou comentários semelhantes feitos por Schusser sobre as limitações do Bluetooth e do Áudio Lossless.


A Apple gostaria de "mais largura de banda" do que o Bluetooth pode fornecer, disse o vice-presidente de acústica da Apple, Gary Geaves. "Vou parar por aí. Gostaríamos de mais largura de banda", acrescentou.

A Apple está possivelmente trabalhando para lidar com as limitações do Bluetooth criando um novo protocolo sem fio, e os AirPods Pro de segunda geração, com lançamento previsto para este ano, podem ser os primeiros AirPods a suportar a reprodução de Áudio Lossless.



Fontes: Billboard, What Hi-Fi? e MacRumors

18/2/2022 - 0h52

Comments


bottom of page